sábado, 5 de março de 2011

E quanto ao diferente?

Diante de todo esse espetáculo de fantoches, muito me custa a acreditar na veracidade desse discurso patético de inclusão e direitos iguais, enquanto o sentimento de superioridade e onipotencia ainda reina no coração humano. O que mais explica o preconceito tão bem do que a necessidade do ser humano de brincar de ser deus?

Gozamos de pleno direito de termos nossa própria opinião sobre o certo e o errado e, assim, desenvolvermos nossa personalidade e caráter. Mas esse direito se extingue quando o ser ao lado também decide e vive o que se é.

SAUDAÇÕES ANTIMANICOMIAIS!

5 comentários:

Cida disse...

Hévi (lindo nome!),
vim te agradecer pela visitinha e pelo carinho deixado lá no mosaicos.

Volte sempre, pois as portas estão sempre abertas para os amigos :)

Fique bem, fique com Deus.

Beijinhos

Cid@

Olga disse...

Querida Hévi, há muito tempo que não aparecias. Espero que esteja tudo bem contigo. Um beijinho muito especial.

Beatriz Amorim disse...

Concordo com você minha veterana! (por enquanto =P)

Beeijos *:

Relativizando Absurdos disse...

Olha quem voltou!!!!

Os direitos são iguais até onde a igualdade é conveniente, quando passa disso começamos a ver vários "Mas"...

Sabe oque mais acho... não sei se temos plenos direitos de ter nossas opiniões... isso é o que dizem, mas na prática, lá no fundo.. será que é assim mesmo?!

bjus

Por Sami

Patty disse...

Já estava com saudades, bemvinda!
Bjocas